Featured

Angola: p’ra que nos serve o nosso bilhete de identidade?

Washington D.C- Atingimos  a  exaustão de todos nossos recursos de comunicação social: o ponto beneficial  aos «instigadores» da restauração do funcionalismo cívico e ordeiro de todas nossas estruturas estatais? 

  • Ou optamos pelo uso do consenso e senso comum 
  • ou continuaremos a ser vistos como «alma amaldiçoada» incapaz de ultrapassar o processo de vitimização da guerra fria, germinante de potencias candidatos à guerra por procuração no nosso seio,  dilapidadoras do erario público … 

Não tenhamos ilusões … estamos a lidar com indivíduos que, outrora associados ao anterior regime,  foram capazes de se infiltrar dentro dos maiores aparelhos estatais e privados americanos e muitas outras estruturas laborais ocidentais, e serem abençoados pela elite chinêsa, Arábia Saudita, portuguêsa, russa, inglêsa,sul africana, brasileira, lebanesa,etc., todas ávidas pelo enriquecimento ilícito! 

A título de exemplo, o economista Alves da Rocha, Director do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola,quando afirmou que entre 2002 e 2014 a nossa receita de exportação petrolífera alcançou $461,8 mil milhões e os fundos fiscais provenientes desse producto totalizaram cerca de $285 bilhões, enquanto que os investimentos públicos perfizeram apenas 93,5 bilhões de dólares…Equivalendo dizer que num período de 12 anos o regime de José Eduardo dos Santos arrecadou cerca de 746.8 mil milhões de dólares da nossa comercialização do petróleo, invertindo apenas 93,5 bilhões desse montante na coisa pública…  

E o mais caricato aqui é o desaparecimento súbito de Xu Jinghua que, citado por Lucy Corkin- Uncovering African Agency: Angola’s Management of China’s Credit Lines, indica que os seus interesses no nosso mercado financeiro “não passava de uma fatia da sua grande torta de negócios de construção em Angola, que pode valer até US $ 30 bilhões.” 

Hoje,o princípio de luta contra a corrupção não se deve limitar somente na exposição universal dos « marimbondos- matreiros», mas dos seus testas-de-ferro …porque são pessoas que poderão ter as mãos cheias de sangue para poderem ocupar os seus actuais cargos… 

Agindo assim, não estaríamos atropelar os seus respectivos direitos humanos ou tão pouco fazer uma caça às bruxas anticorrupção, como se tem propalado ultimamente nas redes sociais. 

Mera coincidência a intensão de Isabel dos Santos financiar grupos de oposição ao governo?! 

Ora bem… se permitirmos espíritos desalmados – potencias candidatos à guerra por procuração – nos ditarem as suas ulteriores intenções: p’ra que nos serve então o nosso bilhete de identidade? 

Prof. Kiluange ( Serafim de Oliveira)  

Washignton D.C  

Prof.kiluangenyc@yahoo.com 

——————————————————————————————– 

English version: freestyle translation -😊  

Angola: why do we need our national identification for? 

Have we reached the exhaustion of all our social communication resources: the beneficial point for the “instigators” of the restoration of the civic and orderly functionalism of all our state structures? 

Either we choose to use consensus and common sense or we will continue to be seen as a “cursed soul” unable to overcome the victimization process of the cold war, the germination of potential candidates for war by proxy in our society, dilapidating the public purse … 

Let us have no illusions … we are dealing with individuals who, once associated with the previous regime, were able to infiltrate the largest American state and private apparatus and many other Western labor structures, and be blessed by the Chinese elite, Saudi Arabia, Portuguese , Russian, English, South African, Brazilian, Lebanese, etc., all eager for illicit enrichment! 

And the most funny thing here is the sudden disappearance of Xu Jinghua, who, quoted by Lucy Corkin- Uncovering African Agency: Angola’s Management of China’s Credit Lines, indicates that his interests in our financial market “was just a slice of his big pie. construction business in Angola, which can be worth up to US $ 30 billion.” 

Today, the principle of the fight against corruption should not be limited to the universal exposure of the “master-crooks”, but of their straw men … because they are people who may have their hands full of blood in order to occupy their current positions … 

Is it a coincidence that Isabel dos Santos intends to finance groups opposed to the government?! 

Now … if we allow soulless spirits – potential candidates for proxy war – to dictate their ulterior intentions to us: what is our identity card for? 
 

 
Prof. Kiluange ( Serafim de Oliveira)  

Washignton D.C  

Prof.kiluangenyc@yahoo.com 

Featured

Angola: A empresa Indra contratada pelo CNE nas eleições gerais de 2012 e 2017 está a ser investigada em Espanha.

indra

39º Edição do programa “7 dias de informação em Angola”,apresentado no dia 16/6/2017 por Serafim de Oliveira com análises e comentários de Carlos Lopes:
 
– Eduardo dos Santos Presidente Emérito um estatuto contestado na sociedade civil angolana.
– A empresa Indra contratada pelo CNE nas eleições gerais de 2012 e 2017 está a ser investigada em Espanha.
– Os projectos de investimento direto estrangeiro em Angola não passa de meras intenções e aguardam pelo desfecho das eleições gerais.
– As forças de segurança de Angola recebem mais de 300 milhões de USD e aumenta o número de refugiados da RDC nas Lundas.
Prof.kiluangenyc@yahoo.com. RAU – Rádio Angola Unida -Uma rádio ao serviço dos angolanos, que não têm voz em defesa dos Direitos Humanos e Combate a Corrupção, em prol de um Estado Democrático e de Direito, apostando no Desenvolvimento sustentável e na dignidade do povo soberano de Angola. Os programas da Rádio Angola Unida (RAU) são apresentados e produzidos em Washington D.C.

Escute aqui:

http://www.blogtalkradio.com/profkiluangenyc/2017/06/17/angola-indra-est-a-ser-investigada-em-espanha

Featured

Angola: a mão sangrenta e encoberta do Comité de Acção do Partido reinante!

10363392_725676614155764_8510518511921825145_n

 
 
 
Washington D.C –  Pouco se fala ou se escreve sobre os segredos envoltos nos “modos operatórios” do Comité de Acção do Partido no poder,o  MPLA.
 

Inicialmente criado no tempo de guerrilha para a mobilização e a conscienlização dos Angolanos na luta contra a colonização portuguesa –  sob a égide do Movimento Popular para a Libertação de Angola, hoje esse comité tornou-se na maior  máquina repressiva do nosso aparelho de Estado!

 
Ao contrário da Contra Inteligência Militar (GOISM) ou dos Serviços de Inteligência e Segurança do Estado (SINSE) , o Comité de Acção do Partido  (CAP) está enraizado em todas as esferas da nossa vida social –  para coerciva ou permissivamente  aplicar as ordens emanadas pela Casa Civil da Presidência da República, principalmente!
 
 
O domínio “questionável” sobre os princípios da maneira de pensar em geral, dos direitos e deveres do cidadão comum, proporciona-lhe oportunidades inigualáveis e incríveis de poder moldar arbitariamente quem quer que esteja sob sua custódia!
 
 
As simulações de crimes de homicídios virtuais,  ódios, passionais, vingativos, etc., cometidos  entre familiares ( parentesco por consanguinidade ou afinidade), através do envenenamento de  alimentos, medicamentos, líquidos (álcool, em particular), são métodos frequentemente usados por esse comité para  humiliar e aterrorizar o pensar diferente dentro da nossa própria sociedade.
 
 
Há também circuntâncias em que as víctimas são submetidas a um processo de doutrinação político-ideológica  com ênfase no compromisso de obediência total ao partido reinante e o seu líder máximo.
 
 
Os que ,por convicções fortes,  recusam a submeter-se à essa chantagem emocional – são remetidos a morte no silêncio…
 
 
Os rotulados de «personas non gratas» pelo regime de Eduardo dos Santos são – no geral! –  “imolados” de violências físicas cruéis e selváticas…
Mas, o maior perigo aqui é o recurso frequente  ao esquadrão da morte  ou grupo de choque que o CAP tem feito uso em todo nosso território nacional para silenciar e amaldiçoar a voz contrária ao regime no poder… E muita das suas víctimas contam-se actualmente em centenas de milhares desde Setembro de 1979.
 
 
Em Angola nada se faz por mera coincidência!, …e muitas das vezes até nos esquecemos que somos governados por uma criatura formada numa  Academia  Militar do Comitê de Segurança do Estado (KGB) da antiga União Soviética…
 
 
O Presidente da República para fazer vincar a sua autoridade, logo após a morte súbita de António Agostinho Neto, viu-se forçasomante obrigado a livrar-se de muitos dirigentes dentro do MPLA, Governo angolano ou membros da sociedade civil… E fê-lo, sobretudo, com o auxílio da mão sanguínea do “Comité de Acção do  seu próprio partido”!
 
 
Grande parte dos seus “acólitos” proveniente desse grupo passaram mais tarde a ser chamados  de “meninos do Futungo de Belas” … os tais ditos “indivíduos” que na flor da juventude cometeram  delitos das mais variadas índoles durante o 27 de Maio de 1977… e de daí por diante…
 
 
Eram, por assim dizer, naives ou  lumpens com autopercepções e aspirações muito além das suas próprias bagagens intelectuais e “background acadêmicos” – selecionados minuciosamente pela Presidência da República para mandar abater e abafar a idéa  contrária ao sistema político instalado dentro da nossa socieda, entregar os recados oficiais ou privados do presidente, tráficar diamantes, e lavagem de dinheiro, etc., em nome de José Eduardo dos Santos.
 
 
As suas respectivas ingenuidades eram tantas… a tal ponto de terem  causado sérios danos morais e físicos à membros  das suas próprias famílias, amigos directos, colegas de serviço, vizinhos, ou todos e quaisquer suspeitos…
 
 
Hoje, alguns desses algozes ocupam cargos de relevo na nossa Assembleia Nacional, estruturas estatais, partidária ou chefiam as nossas embaixadas e representações comercias nas maiores capitais ocidentais europeias, americanas, latinoaméricas.E outros ainda exercem funções dentro do nosso Ministério das Relações Exteriores…
 
 
Como essas malditas criaturas existem centenas e centenas com as mãos bem cheias de sangue,bem protegidas pelo aparelho de Estado angolano.
O CAP, por exemplo, continua a ter representatividade nas nossas maiores missões diplomáticas no estrangeiro, essencialmente, em  países com grande afluência da comunidade angolana…
 
 
Nos Estados Unidos esse comité conduz  campanha de desprestígio contra os oponentes angolanos ao regime de Dos Santos  aí residentes, feita por elementos associados à nossa embaixada em Washington D.C – e isso tem tido uma dimensão muito mais complexa, envolvendo identificação e isolamento do alvo,através de ataques pessoais sem fundamento e do assassínio de carácter quer a nível social ou professional do visado!
 
 
E, para a execução desse serviço utilizam-se mais angolanos funcionários do sector público ou privado americano…comprometidos moralmente com o regime de Eduardo dos Santos.
 
 
Como membro do Comité Central do MPLA, e antiga representante de Angola (Directora Executiva) no Banco Mundial em Washington D.C, Ana Afonso Dias Lourenço ocupava simultaneamente o cargo de coordenadora do Comité de
Acção do partido dos “camaradas nos Estados Unidos de América.
 
 
Em Portugal,segundo  oficias da nossa contra-inteligência, o embaixador angolano José Marcos Barrica chefia e supervisiona todas as acções do CAP, a partir do qual se originam  ameaças ou orquestradas tentativas contra as vidas de altas personalidades políticas, artistícas, académicas, civícas, religiosas angolanas,etc., que aí vivem..
 
 
No entanto, o mais repugnante é essa incrível  passividade deliberada e injustiça passiva que os membros do MPLA têm permitido  ao José Eduardo dos Santos  continuar com as táticas coercivas adoptadas durante o período da luta contra o colonialismo Português …e tudo isso em troca de enriquecimento ilícito? – assassinatos premeditados,raptos, estupros sexuais,corrupção política, açambarcamento  vergonhoso do erário público,graves abusos e violações dos direitos humanos,liberdade de imprensa,Constituição nacional,etc.
 
 
Usando dados da “adsoftheworld.com”,  a “bigthink.com” indica que existem 12.500 pacientes para cada médico em Angola. Enquanto que a Organização  Mundial da Saúde, no seu relatório de 2004, revela que só há 0.083%  quadros superiores de medicina  para uma densidade populacional composta de 1000 angolanos.
 
 
Contudo,Funcionários seniores da nossa secreta acreditam tamém que as operações gerais da CAP custam certa de 11% da fatia do nosso Orçamento Geral do Estado.
 
 
O Finacial Times divulgou em 3 de Outubro de 2016 que a Fundação Mo Ibrahim havia acusado os países africanos exportadores de petróleo (incluindo Angola, claro está!) de “desperdiçaram uma década de oportunidades económicas”, mostrando assim “quão pouco progresso fizeram em suas fortunas fora do desmame do petróleo”.
 
 
Essa instituição recorda ainda que num período de dez anos esses países só investiram 2,9% dos lucros obtidos na comercialização do “ouro negro” para a diversificação das suas respectivas economias!
 
 
Entretanto, o economista Alves da Rocha, Director do Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola, afirmou recentemente que entre 2002 e 2014 a nossa receita de exportação de petróleo alcançou $461,8 mil milhões e os fundos fiscais provenientes do petróleo somaram cerca de $285 bilhões, enquanto que os investimentos públicos só totalizaram 93,5 bilhões de dólares…
 
 
O que significa a dizer que num período de 12 anos o regime de José Eduardo dos Santos arrecadou cerca de 746.8 mil milhões de dólares da nossa comercialização petrolífera, investindo apenas 93,5 bilhões desse montante na coisa pública.
 
 
Assim, os nossos diamantes de sangue e o petróleo amaldiçoado de Cabinda, principalmente, servem de fontes de financiamento às actividades coercitivas do regime de José Eduardo dos Santos contra cidadãos pacatos e indefesos…
É má fé ,falta de ética e inaceitável que hoje  o número de médicos per capita seja 50 vezes inferior à quantidade de operativos ao serviço do Comité de Acção do Partido (MPLA)…
 
 
Isso em si espelha não só o nível de desgovernação e disfuncionalismo público nacional, mas também demonstra as proporçõ es seriamente alarmante que o índice da cultura de impunidade e onda de violência alcançaram na nossa sociedade.
 
 
É arriscado condicionarmos a democratização de Angola na esperança de que essa iniciativa saia no seio do próprio MPLA…
Seria de igual modo um suicídio fatal acreditarmos que criminosos de colarinho branco… venham salvar-nos das maldições por si criadas, principalmente, quando estão em melhores condições de ditarem o nosso destino económico,político e militar…
 
 
A melhor forma de pararmos o derrame de sangue silencioso entre nós seria pedirmos conta ao “indivíduo que nos governa”, exigindo-lhe que se sente connosco sem pré-condições algumas!… e, aí então …poríamos todas as cartas na mesa, e …veríamos quem afinal de contas detem o poder entre nós!
 
 
Prof.N’gola Kiluange ( Serafim de Oliveira)
Washington D.C
Prof.Kiluangenyc@yahoo.com
 
Dados bibliográficos:
 
1.) http://bigthink.com/strange-maps/185-the-patients-per-doctor-map-of-the-world
Número de médicos disponíveis para “X” percentagem de pacientes.
 
2.) http://apps.who.int/gho/data/node.main.A1444
Organização Mundial de Saude– relatório de 2004
 
3.)African oil exporters wasted economic opportunity, study claims
https://www.ft.com/content/e3e3dc00-893f-11e6-8aa5-f79f5696c731
 

Angola: sem eco das nossas vozes em Washington D.C , o partido governante vai continuar a ceifar vítimas

Angola Transparency

  • Entre as constantes contestações versus poder lobista na capital americana

Washington D.C —Se tudo feito em Luanda no domínio económico social,actividades políticas de carácter cívico,factor político e militar,engajamento civil,contestações às violações sistemáticas aos direitos humanos ou a má governação, não tiver eco na capital dos Estados Unidos — os assassinatos premeditados, muitos motivados por vingança e ódio, continuarão impiedosamente a ceifar víctimas.

Ao trazer para a sua equipa Fernando Garcia Miala,Francisco Pereira Furtado e tantas outras individualidades do mesmo calibre, João Lourenço sabia que o cumprimento integral e rigoroso às suas ordens,sem quaisquer reservas desses subordinados, estaria garantida. Aliás, os seus respectivos cadastros criminais constituiriam passivos automaticamente se o desobedecessem.

Esse controlo táctico de comportamento dócil — baseado, na generalidade, no uso de chantagens políticas e económicas, histórico criminal ou ganância excessiva ao rápido enriquecimento ilícito— é aplicável às figuras políticas de proa, membros do Governo e altos funcionários públicos.

View original post 172 more words

Angola: sem eco das nossas vozes em Washington D.C , o partido governante vai continuar a ceifar vítimas

  •  Entre as fortes contestações ao regime angolano versus poder lobista na capital americana

Washington D.C  —Se tudo feito em Luanda no domínio económico social,actividades políticas de carácter cívico,factor político e militar,engajamento civil,contestações às violações sistemáticas aos direitos humanos ou a má governação, não tiver eco na capital dos Estados Unidos — os assassinatos premeditados, muitos motivados  por vingança e ódio, continuarão  impiedosamente a ceifar víctimas.

Ao trazer para a sua equipa Fernando Garcia Miala,Francisco Pereira Furtado e tantas outras individualidades do mesmo calibre, João Lourenço sabia que o cumprimento integral e rigoroso às suas ordens,sem quaisquer reservas desses subordinados, estaria garantida. Aliás, os seus respectivos cadastros criminais constituiriam passivos automaticamente se o desobedecessem.

Esse controlo táctico de comportamento dócil — baseado, na generalidade, no uso de chantagens políticas e económicas, histórico criminal ou ganância excessiva ao rápido enriquecimento ilícito—  é aplicável às figuras políticas de proa, membros do Governo e altos funcionários públicos.

O arrepiante, no entanto, é a cumplicidade e instigação à prática de quaisquer actividades criminosas de diversas índoles ocorrentes dentro das nossas estruturas estatais, empresas privadas ou mistas subsidiadas pelo Estado. 

Susceptíveis de comprometer a justiça social, identidade, cultura e soberania nacionais, essas ações ilegais ou fraudulentas, além de estarem a afugentar sérios potenciais investidores nacionais e estrangeiros, são também uma das principais razões do êxodo súbito de cérebros, outros fenómenos idênticos e força laboral diversificada para o estrangeiro.

Se forem bem analisadas, verificar-se-ão nítidas tendências do partido governante em não apenas incentivar constantes prácticas de injustiça, marginalização e exclusão social, falta de acesso às fontes de informação e de riquezas naturais, como também manter o status quo a todo preço.

E é precisamente em Washington que todas as atenções devem estar viradas para o futuro, de forma a assegurar a sustentabilidade do nosso pleno exercício dos direitos de cidadania e contrapor as inverdades flagrantes sobre a nossa realidade nua e crua.

————————————————————–

Angola : Without an echo of our voices in Washington, D.C., the ruling party will continue to reap victims

  • Lobbying power in the American capital versus strong opposition to the Angolan regime

Washington D.C —Unless every action in Luanda, whether it be in its economic and social spheres, civic, political activities, political and military sphere, civil engagement, challenges to systematic human rights violations, or poor governance, is echoed in Washington, D.C., the premeditated murders, many motivated by revenge and hatred, will continue mercilessly reaping victims.

By bringing Fernando Garcia Miala, Francisco Pereira Furtado, and many other individuals of the same caliber to his team, João Lourenço knew that full and rigorous compliance with his orders, without any reservations from these subordinates, would be guaranteed. Disobedience would automatically result in their criminal records becoming passive.

Leaders in politics, government members, and top public officials are subject to tactics of controlling docile behavior—generally based on political and economic blackmail, criminal histories, or excessive greed for rapid illicit enrichment.

The chilling aspect, however, is the complicity and instigation of criminal activity inside our state structures, private companies, and mixed companies receiving state subsidies.

Susceptible to compromising social justice, identity, culture, and national sovereignty, these illegal or fraudulent actions, besides scaring away serious potential national and foreign investors, are also one of the main reasons for the sudden exodus of brains, other similar phenomena, and diversified labor force abroad.

In a well-analyzed case, it will be evident that the ruling party is committed to perpetuating injustice, marginalization, and social exclusion and maintaining the status quo.

We must focus on the future in Washington to ensure the sustainability of our entire exercise of citizenship rights and to counter the blatant lies about our naked reality.


Prof. N’gola Kiluange ( Serafim de Oliveira)

Prof.kiluangenyc@yahoo.com

Washington D.C 

Angola: O que é uma Pessoa Politicamente Exposta (PEP)?

Angola Transparency

O que é uma Pessoa Politicamente Exposta (PEP)?

Washington D.C —Segundo o Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo/Prevenção e Combate [ BCFT) — em termos vigentes na Lei n.º 83/2017[ Portuguesa], de 18 de agosto — pessoa politicamente exposta,é toda e qualquer individualidade que – “em qualquer país ou jurisdição – desempenhem, ou tenham desempenhado nos últimos doze meses, as seguintes funções públicas proeminentes de nível superior:

a) Chefes de Estado, chefes de Governo e membros do Governo, designadamente ministros, secretários e subsecretários de Estado ou equiparados;b) Deputados;c) Juízes do Tribunal Constitucional, do Supremo Tribunal de Justiça, do Supremo Tribunal Administrativo, do Tribunal de Contas, e membros de supremos tribunais, tribunais constitucionais e de outros órgãos judiciais de alto nível de outros estados e de organizações internacionais;d) Representantes da República e membros dos órgãos de governo próprio de regiões autónomas;e) Provedor de Justiça, Conselheiros de…

View original post 462 more words

Angola: realização de uma conferência nacional, falta de diálogo social e riscos constantes a nossa sociabilidade

Angola Transparency

Angola: realização de uma conferência nacional, falta de diálogo social e riscos constantes a nossa sociabilidade

Washington D.C – No tempo de Eduardo dos Santos, a realização de uma conferência nacional com a participação de todas as partes interessadas importantes — seria, do ponto de vista moral, um grande impulso em prol do desenvolvimento da consciência cívica.

Nos últimos 6 anos, a ganância, a arrogância e a falta de vontade política — quanto a gestão do erário público e todos os “affaire d’État” — têm comprometido seriamente a credibilidade dos meios de comunicação social, as nossas relações humanas e o interesse em promover a saúde e o bem-estar das pessoas.

Não há ninguém que ganhe com isso: a auto-proclamação de vencedor de eleições de forma questionável e a  imposição unilateral do pensar draconiano e impopular nas estruturas estatais e jurídicas nacionais só demonstram a nossa incapacidade de estabelecer um diálogo…

View original post 205 more words

Angola: realização de uma conferência nacional, falta de diálogo social e riscos constantes a nossa sociabilidade

Angola: realização de uma conferência nacional, falta de diálogo social e riscos constantes a nossa sociabilidade

Washington D.C – No tempo de Eduardo dos Santos, a realização de uma conferência nacional com a participação de todas as partes interessadas importantes — seria, do ponto de vista moral, um grande impulso em prol do desenvolvimento da consciência cívica.

Nos últimos 6 anos, a ganância, a arrogância e a falta de vontade política — quanto a gestão do erário público e todos os “affaire d’État” — têm comprometido seriamente a credibilidade dos meios de comunicação social, as nossas relações humanas e o interesse em promover a saúde e o bem-estar das pessoas.

Não há ninguém que ganhe com isso: a auto-proclamação de vencedor de eleições de forma questionável e a  imposição unilateral do pensar draconiano e impopular nas estruturas estatais e jurídicas nacionais só demonstram a nossa incapacidade de estabelecer um diálogo social, crítico e abrangente.

Expõe igualmente a ingenuidade do «Estado-­Partido» reinante  sobre a  magnitude do relacionamento eficaz entre governantes e governados. Posicioná-lo em um lugar de mendicidade no referente às atrações de investimentos estrangeiros credíveis, imprescindíveis para o desenvolvimento de culturas de diversificação económica e a gestão sustentável dos recursos naturais.

Forçá-lo também a escolher contratações com altíssimas taxas de juros perniciosas as obrigações e necessidades nacionais.

Em parte, a presença de pessoas politicamente expostas no governo afugenta não só os empreendedores locais e internacionais sérios, mas também compromete os esforços na luta contra a corrupção e a criminalidade organizada. 

E para um país que saiu de uma prolongada guerra civil num passado não longínquo, a organização de uma conferência nacional oferece uma oportunidade única de injetar novas esperanças de paz e unidade. Cria um processo de diálogo transparente e estruturado: fomenta e fortalece a nossa convivência social.

Seja quem for que estiver no poder e subestimar a importância do diálogo com a opinião pública sobre o modelo de governação, engajamento público e participativo amplo estará a perder a sua capacidade de conquistar a confiança e a adesão de grande parte dos cidadãos nacionais, especialmente.

—————————————————————

A national conference, lack of social dialogue, and constant social risks

Washington D.C –In Eduardo dos Santos’ time, holding a national conference with the participation of all critical stakeholders would, from a moral point of view, be an excellent boost for the development of civic consciousness.

In the last six years, greed, arrogance, and lack of political will – regarding the management of the public treasury and all the “affaire d’État” – have seriously compromised the credibility of the media, our human relations, and the interest in promoting people’s health and well-being.

There is no one to gain from this: the self-proclaimed winner of elections in a questionable manner and the unilateral imposition of draconian and unpopular thinking on national state and legal structures only demonstrates our inability to establish a social, critical, and comprehensive dialogue.

It also exposed the naïveté of the reigning “Party-State” about the magnitude of the compelling relationship between rulers and ruled. It places it in a beggar-thy-neighbor position when it comes to attracting credible foreign investment, which is essential for developing cultures of economic diversification and the sustainable management of natural resources.

It also forces you to choose contracts with very high-interest rates that are pernicious to national needs and obligations.

Local and international entrepreneurs are often scared away by politically exposed people in government, weakening efforts to combat corruption and organized crime.

And for a country that came out of a protracted civil war in the not-too-distant past, the organization of a national conference offers a unique opportunity to inject new hopes for peace and unity. It creates a transparent and structured dialogue process: it fosters and strengthens our social coexistence.

Leaders need to pay more attention to public opinion’s importance in the governance model, public engagement, and broad participation to maintain the trust of a majority of national citizens.

###

Prof. N’gola Kiluange ( Serafim de Oliveira)

Washington D.C 

Prof.kiluangenyc@yahoo.com


Angola: emissão de títulos de dívida pública vs. credibilidade da nossa economia

Angola Transparency

Rádio Angola Unida (RAU) – 160ª Edição do programa “7 dias de informação em Angola”, apresentado no dia 26-03-2020 por Serafim de Oliveira com análises e comentários de Carlos Lopes:

  • “Com vista a evitar o máximo possível o alastramento da pandemia e as graves consequências que lhes são associadas, consultado o Conselho da República e ouvida a Assembleia Nacional declaro estado de emergência que entra em vigor as 00:00 de 27 de março”, afirmou o Presidente angolano numa curta mensagem lida na televisão pública de Angola, TPA. O estado de emergência vai durar 15 dias com início às 00:00 de sexta-feira e cessa as 23:00 do dia 11 de abril, podendo ser prorrogado automaticamente. Angola regista até hoje três casos positivos de infeção pelo novo coronavirus causador desta doença. Não obstante o número de casos positivos registados até 23 de março ser ainda reduzido, o chefe do…

View original post 998 more words

Angola: o narcotráfico, a corrupção e a máfia poderosa

Angola Transparency

Angola: o narcotráfico, a corrupção e a máfia poderosa

Washington D.C — As súplicas ardentes para o Presidente da República intervir na luta contra o problema do tráfico de estupefacientes nos remete para o tempo de início da mafialização das nossas  estruturas estatais, partidária, económicas e judiciais. 

Em conjunto com a sua congénere local e fazendo uso da proliferação da corrupção, o crime organizado transnacional infiltrou-se no seio do partido governante e impôs a sua autoridade político-económica.

O casamento de conveniência entre a máfia internacional operante no país, essencialmente, com membros da elite do partido reinante, comprometeu assim a integridade moral,a dignidade, a lealdade e a ética partidária.

Aliás, a obtenção de cidadania de países da Europa Ocidental,Brazil, Estados Unidos, Canadá,principalmente, por familiares e afiliados da classe dominante do partido só veio expor ainda mais os seus respectivos receios quanto à estabilidade política, a protecção dos direitos humanos e a…

View original post 200 more words

Angola: o narcotráfico, a corrupção e a máfia poderosa

Angola: o narcotráfico, a corrupção e a máfia poderosa

Washington D.C – As súplicas ardentes para o Presidente da República intervir na luta contra o problema do tráfico de estupefacientes nos remete para o tempo de início da mafialização das nossas  estruturas estatais, partidária, económicas e judiciais. 

Em conjunto com a sua congénere local e fazendo uso da proliferação da corrupção, o crime organizado transnacional infiltrou-se no seio do partido governante e impôs a sua autoridade político-económica.

O casamento de conveniência entre a máfia internacional operante no  país, essencialmente, com membros da elite do partido reinante, comprometeu assim a integridade moral,a dignidade, a lealdade e a ética partidária.

Aliás, a obtenção de cidadania de países da Europa Ocidental,Brazil, Estados Unidos, Canadá,principalmente, por familiares e afiliados da classe dominante do partido só veio expor ainda mais os seus respectivos receios quanto à estabilidade política, a protecção dos direitos humanos e a boa governação nacional.

Essas dúvidas acabaram por encorajar e empoderar o sindicato de crime organizado para a disputa pelo poder político e pela busca do poder com o governo de facto. Desbaratou também a influência política e social do MPLA no seio dos seus militantes e simpatizantes.

Contudo, o poder criminal instalado em estruturas privadas e públicas advém, em grande parte, das contratações simplificadas firmadas com atuais e antigos parceiros poderosos do partido reinante; e por a associação criminosa também se ter tornado guardiã do dinheiro ilícito dos seus sócios, quer dentro do país ou paraísos fiscais. 

A máfia utiliza o narcotráfico na nossa sociedade não só como método “da cenoura presa na vara”, mas também como sinalização prescrita da existência de poder dual territorial.

Se nos anos 80 a droga era um mistério aliciante às orgias sexuais em grupos restritos nas instalações da Rádio Nacional de Angola, TPA e Sonangol, Banco Nacional de Angola,etc, hoje o crime organizado já mostra as suas garras afiadas contra o poder institucional, e parece também estar pronto a lutar para a expansão do comércio ilícito de estupefaciente e substâncias psicotrópicas a todo o custo.

Por se beneficiar da corrupção activa e passiva, João Lourenço não está em condições de exercer autoridade moral e civil para garantir uma reforma de fundo e cabal das estruturas estatais, económicas e judiciais.

Mudanças profundas e cada vez mais rápidas do status quo implicariam ajustes de contas diretos entre  a dualidade de poder (máfia poderosa e autoridades públicas), e poderiam resultar num absoluto desastre.

Somos todos grandes atores e partes interessadas relevantes no destino deste país: quaisquer tentativas   de se auto-intitular únicos guardiões do erário público ou responsável único pela administração das instituições governamentais e estatais constituem ameaça constante à nossa sociedade.   

Não há alternativa melhor do que a realização de uma conferência nacional de reconciliação com a participação de todos os intervenientes e todos os responsáveis políticos para se discutir aberta e honestamente a qualidade de moldes de governação no sentido de garantir a sensibilização e confiança do público.

——————————————————-

Angola: Drug trafficking, corruption, and the powerful mafia

Washington D.C – Those entreaties for the President of the Republic to intervene in the fight against drug trafficking bring us back to the days of the “mafialization” of our state, party, economy, and judicial systems. 

Together with its local counterpart and using the proliferation of corruption, transnational organized crime infiltrated the governing party and imposed its political-economic authority.

The marriage of convenience between the international mafia operating in the country, essentially, and members of the ruling party elite has thus compromised moral integrity, dignity, loyalty, and party ethics.

Moreover, the acquisition of citizenship from Western European countries, Brazil, the United States, and Canada, mainly by relatives and affiliates of the ruling class of the party, has only further exposed their respective fears regarding political stability, human rights protection, and good national governance.

These doubts ultimately prompted the organized crime syndicate to seek and compete for political power with the de facto government. In addition, it discredited the MPLA’s political and social influence among its militants and sympathizers.

Criminal power is, however, primarily a consequence of simplified contracts signed with the ruling party’s current and former powerful partners, as well as the criminal association has become a custodian of illicit money, both within the country and outside of it.

The Mafia uses drug trafficking in our society as a “carrot-stick” method and a signal of dual territorial power.

In the 80s, drugs were a mystery to sexual orgies in restricted groups at Radio Nacional de Angola, TPA, Sonangol, Banco Nacional de Angola, etc. Organized crime is already taking on institutional power with sharp claws and appears willing to fight for the expansion of narcotics and psychotropic substances at any cost.

As a beneficiary of passive and active corruption, João Lourenço is not in a position to guarantee a thorough and complete reform of the state, economy, and judicial system.

Significant and increasingly rapid changes in the status quo will result in a natural settling of scores between the duality of power (mafia and public authorities) and could lead to a disastrous outcome.

Our destiny depends on all of us: anyone who claims to be the only guardian of the public treasury or solely responsible for the administration of government and state institutions is a constant threat to our society.

Holding a national reconciliation conference with the participation of all stakeholders and policymakers is the best way to ensure public awareness and trust in the quality of governance models.

###

 

Prof. N’gola Kiluange (Serafim de Oliveira)

Washington D.C 

Prof.kiluangenyc@yahoo.com

Angola: Ainda sobre a chamada resolução — S.Res.736

Angola Transparency

Angola: Ainda sobre a chamada resolução S.Res.736

Washington D.C— Na parte da Resolução, clique em Show Overview [Mostrar Visão Geral] para acessar a opção– “tracker”[localizador ]. Aponte a seta para o círculo verde i. E o “localizador indica o progresso desta legislação no sentido de se tornar uma lei”.

“Finalmente, a resolução apela ao governo dos EUA para responsabilizar os funcionários angolanos por quaisquer tentativas de subverter o processo eleitoral”.

Caso se torne em lei… e se forem provadas as suspeitas de violações do nosso último processo eleitoral, todo e qualquer alto funcionário angolano — envolvido no crime — poderá ser responsabilizado criminalmente pelo Governo americano — como exige o documento “S.Res.736”.

———————————————

Angola: Concerning S.Res.736

Washington D.C -In the Resolution part, click on Show Overview to access the option- “tracker”. Point the arrow at the green circled i and the “The tracker indicates the progress this legislation took…

View original post 69 more words

Angola: Ainda sobre a chamada resolução — S.Res.736

Angola: Ainda sobre a chamada resolução S.Res.736

Washington D.C— Na parte da Resolução, clique em Show Overview [Mostrar Visão Geral] para acessar a opção– “tracker”[localizador ]. Aponte a seta para o círculo verde i. E o “localizador indica o progresso desta legislação no sentido de se tornar uma lei”.

“Finalmente, a resolução apela ao governo dos EUA para responsabilizar os funcionários angolanos por quaisquer tentativas de subverter o processo eleitoral”.

Caso se torne em lei… e  se forem provadas as suspeitas de violações do nosso último processo eleitoral, todo e qualquer alto funcionário angolano — envolvido no crime — poderá ser responsabilizado criminalmente pelo Governo americano — como exige o documento “S.Res.736”. 

———————————————

Angola: Concerning S.Res.736

Washington D.C -In the Resolution part, click on Show Overview to access the option- “tracker”. Point the arrow at the green circled i and the “The tracker indicates the progress this legislation took towards becoming a law.”

“Finally, the resolution calls on the U.S. government to hold Angolan officials accountable for any attempts to subvert the electoral process.”

Upon passage of this legislation, and if the suspected violation of our last election process is proven, all high-level Angolan officials found to be involved could be held criminally liable by the U.S. government, according to the “S.Res.736” document.

Reference:

1.)

https://www.congress.gov/bill/117th-congress/senate-resolution/736/all-info

2.)

https://www.congress.gov/bill/117th-congress/senate-resolution/736?overview=closed

%d bloggers like this: